Politica

O mesmo ‘destino’ de PNS? O que pedem os partidos no ‘caso Galamba’

O ministro das Infraestruturas, João Galamba, está debaixo de fogo depois de o seu nome ter sido posto em causa no âmbito da polémica que envolve a reunião (já não tão secreta) entre a ex-CEO da TAP, Christine Ourmières-Widener, e elementos do Partido Socialista (PS), que ocorreu a 17 de janeiro. No encontro, a ex-responsável e socialistas combinaram perguntas e respostas na comissão parlamentar de inquérito (CPI) relativa à indemnização para pela companhia aérea portuguesa à antiga secretária de Estado do Tesouro, Alexandra Reis.

A polémica adensou-se na sexta-feira quando o ex-adjunto do ministro, Frederico Pinheiro, exonerado esta semana, explicou que as razões que levaram à sua saída se prendem com notas tiradas nessa mesma reunião, na qual representou o Governo. O ex-responsável foi informado pelo gabinete de Galamba que o ministério das Infraestruturas iria responder à CPI que “não existiam notas dessa reunião”. Frederico Pinheiro rematou que seria obrigado a contradizer essa informação, e assim foi exonerado. Em causa está a possível mentira do ministro à CPI, “de que, por qualquer forma, tenha procurado condicionar ou omitir informação” à comissão em questão, acusações que Galamba nega categoricamente. 

À semelhança do que aconteceu com caras envolvidas no dossier da TAP, tal como o ex-ministro das Infraestruturas e da Habitação Pedro Nuno Santos, Galamba está agora sob pressão, com os partidos a consideraram que este não tem condições para continuar no cargo.

O Governo avançou ainda com uma queixa-crime contra  ex-responsável, pelo facto de ter levado dois computadores do Estado para casa, avançou ontem a CNN. Um deles teria informação classificado. Os instrumentos já foram recolhidos pela Polícia Judiciária.

O que dizem os partidos?

Partido Social Democrata (PSD)

Ao ter conhecimento da situação, o líder parlamentar do PSD, Joaquim Miranda Sarmento ‘dirigiu-se’ a três personalidades: ao presidente do Grupo Parlamentar do PS, Eurico Brilhantes Dias, ao ministro das Infraestruturas e ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. em declarações na Assembleia da república, Morais Sarmento pediu que o líder parlamentar socialista dê explicações sobre o que se passou. “Hoje soubemos que o Governo fez queixa na PJ [Polícia Judiciária] contra um agora ex-adjunto do ministro das Infra-estruturas porque suspeita que a fuga de informação tenha vindo desse gabinete. O senhor deputado tem obrigação de esclarecer o Parlamento e o país acerca dos motivos que o levaram a fazer a declaração profundamente infeliz que fez [inicialmente] e de pedir desculpa”, disse.

Em relação a Galamba, o social democrata refere que este está “muito diminuído pela mentira que quis fazer” e referiu que a confirmar-se, este não terá condições para continuar no cargo.

Já a mensagem deixada a Marcelo, não podia ser mais clara: “O senhor Presidente da República, que está muito preocupado com o regular funcionamento desta casa, tem de actuar”, referiu.

Chega

Em reação a este assunto, o Chega pediu a audição do ex-adjunto, considerando que deveria ser o responsável pela pasta das Infraestruturas a demitir-se. “Esta ação de vingança, mas sobretudo de impunidade e de desresponsabilização de João Galamba mostra bem o estado de desorientação em que se encontra o Governo socialista”, referiu o líder, André Ventura, numa mensagem citada pela SIC Notícias. O responsável foi ainda mais longe e colocou o nome do ministro das Finanças, Fernando Medina, referindo nem, nem um nem outro, “perderam as condições políticas para governar há muito tempo”.

Bloco de Esquerda

Já o líder parlamentar do Bloco de Esquerda, Pedro Filipe Soares, considerou, na sexta-feira, que o “Parlamento não pode ficar indiferente” à recente polémica que está a envolver o ministro das Infraestruturas, João Galamba. em declarações aos jornalistas na Assembleia da república, questionou ainda a viabilidade da continuação de Galamba no cargo que ocupa.

“Existe um computador que, aparentemente, terá informação relevante (…), até para avaliar algumas das informações dadas à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) à TAP, se são verdadeiras ou falsas. E existem acusações, dentro de um Ministério, sobre um ministro poder estar a faltar à verdade à Comissão Parlamentar de Inquérito”, começou por argumentar o bloquista, acrescentando que se Galamba “tentou mentir a uma Comissão de Inquérito, não pode continuar como ministro”.

Na sequência da notícia da demissão do adjunto do Ministro das Infraestruturas, João Galamba, @PedroFgSoares veio dizer que o governo deve explicações ao país sobre o caso e que estas devem vir do próprio primeiro-ministro. pic.twitter.com/tObHWzoawA

— Bloco de Esquerda (@BlocoDeEsquerda) April 28, 2023

Pedro Filipe Soares notou ainda que o primeiro ministro, António Costa, deveria dar explicações em relação à TAP, algo também pedido pelos liberais.

Iniciativa Liberal

O líder da Iniciativa Liberal pediu, este sábado, uma “audição imediata”, com a “máxima urgência”, na comissão parlamentar de inquérito à TAP, do ministro das Infraestruturas, João Galamba, e reiterou que o chefe de Governo devia dar esclarecimentos.

Rui Rocha já tinha falado sobre o caso na sexta-feira. “É mais um caso em que o Governo e o Partido Socialista usam sempre pessoas de menor relevância política para tentarem aliviar a sua responsabilidade e desviar atenções”, sustentou, acrescentando que o primeiro-ministro, “António Costa deveria falar aos portugueses” sobre o caso da TAP. Já mais tarde, o líder dos liberais recorreu ainda ao Twitter para voltar a referir-se à situação. “Há o tempo da Justiça, há o tempo do Governo, há o tempo do Parlamento. Creio que está a chegar o tempo do Presidente da República”, apontou.

Há o tempo da Justiça, há o tempo do Governo, há o tempo do Parlamento. Creio que está a chegar o tempo do Presidente da República.

— Rui Rocha (@ruirochaliberal) April 28, 2023

Partido Comunista Português (PCP)

O PCP manifestou “perplexidade e indignação” relativamente ao caso que motivou a demissão de um adjunto do ministro das Infraestruturas, mas advertiu que a situação “não pode ser instrumentalizada” para abrir caminho à venda da TAP.  “Aquilo que tem vindo a ser divulgado ao longo do dia [de sexta-feira] não pode deixar de suscitar perplexidade e indignação perante procedimentos incompatíveis com as exigências de transparência, verdade e rigor que se colocam no desempenho de cargos e empresas públicas”, declarou o dirigente Vasco Cardoso.
  

CDS – Partido Popular

Apesar de não representação parlamentar, o CDS também reagiu a esta situação. O presidente, Nuno Melo, apelou, na sexta-feira, ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que “exija do primeiro-ministro” a demissão do ministro. “Não sendo de crer que o ministro João Galamba peça a respetiva demissão, ou que António Costa a decida, como seria suposto num quadro de normalidade democrática, o CDS faz um apelo direto ao Presidente da República para que, a exija do primeiro-ministro”, pode ler-se num comunicado a que o Notícias ao Minuto teve acesso.

Leia Também: Ex-adjunto vs. Galamba. Queixas, acusações e demissões: O que se sabe?

Fonte : Notícias ao Minuto – Politica  

29 Abril 2023

Comments are closed.